quarta-feira, 24 de junho de 2015

Clube da Esquina, um disco que você precisa ouvir antes de morrer ...

Do perfil do Clube da Esquina no Facebook:
O disco "CLUBE DA ESQUINA", de MILTON NASCIMENTO & LÔ BORGES, está incluído no livro "1001 Albums You Must Hear Before You Die" (em português: 1001 Álbuns Para Ouvir Antes de Morrer), que é é um livro de referência musical lançado em 2006, que reúne 90 jornalistas e críticos musicais de todo o mundo. Sua concepção original é de Robert Dimery, co-fundador da Revista Rolling Stone.
O livro consiste de uma lista de álbuns lançados entre os anos de 1955 e 2005. Embora existam os mais diversos estilos musicais como jazz, blues, heavy metal, soul e música experimental, o rock e o pop ocupam posição destacada.
A publicação contém mais de 900 imagens. Quando o álbum é indicado, aborda-se também o momento histórico, além de relatar curiosidades da gravação.
A publicação contém mais de 900 imagens. Quando o álbum é indicado, aborda-se também o momento histórico, além de relatar curiosidades da gravação.
Por Gustavo Oliveira:

"O que está escrito no livro (O verbete, que está no livro, traduzido), AQUI:"Se Clube da Esquina fosse meramente uma resposta brasileira ao ‘Sgt. Peppers‘… já teria um lugar como uma grande contribuição à música pop internacional. Mas essa magnífica coleção de canções, originalmente lançada como um LP duplo, também transformou Milton Nascimento, Lô Borges, Beto Guedes e Toninho Horta em artistas de sucesso por seus próprios méritos. Embora Milton Nascimento - um cantor carismático, com um falsete puro e cheio de espiritualidade - seja o centro da gravidade do álbum, ele ainda não era uma grande estrela e Clube da Esquina é bem um trabalho de grupo, co-creditado a Lô Borges. O disco mistura paisagens sonoras de sonho, letras surreais e uma notável variedade de influências sul-americanas. Clube da Esquina foi um marco na música popular, que abriu portas criativas para outros artistas. O Clube da Esquina consistia num grupo de amigos de Belo Horizonte, uma cidade no interior do estado de Minas Gerais. Em 1971, eles passaram 6 meses em uma casa alugada na praia de Piratininga, norte do Rio, compondo e compartilhando seu amor pelos Beatles. No estúdio, a música adquiriu rica grandiosidade, com orquestrações de Eumir Deodato e Wagner Tiso. O disco produziu uma série de sucessos, entre eles "Cravo e Canela' e "Nada será como Antes". A influência dos Beatles é particularmente forte nas canções estilo "rock mineiro" primorosamente compostas por Lô Borges, como "O Trem Azul" e "Nuvem Cigana", reluzentes melodias cheias de maravilhas e caprichos”, escrevem Robert Dimery e Michael Lydon (um dos fundadores da revista “Rolling Stone”) no livro “1001 Discos que Você Precisa Ouvir Antes de Morrer”

Nada contra - Marcos Piangers

Colo aqui mais uma das deliciosas contribuições de Marcos Piangers sobre crianças no Facebook. 


Nada contra
Quando uma criança nos brinda com sua visão de mundo é uma delícia tão grande que devemos ficar bem quie- tos. É como olhar unicórnios se alimentando. Você quer ficar vendo aquilo sem espantar a magia do ambiente. Estávamos no carro, eu dirigindo, minha mulher no banco do carona e minha pequena no banco de trás, sentada no meio. Lá fora as pessoas desrespeitavam outras pessoas no trânsito. O que podemos chamar de um dia normal.

“O que eu não entendo é que uma mulher pode se vestir com cal- ça jeans e até com camisas masculinas. Isso é aceito pela sociedade,” ela tem oito anos e está falando sobre a sociedade. “E um homem não pode se vestir com roupas de mulheres que todo mundo fala mal. Não que eu tenha alguma coisa contra travestis.” Eu explodi em risos. “O quê, pai?!”, protestou a Anita. A Anita sempre diz que não tem nada contra determinada minoria, sempre que fala delas.

“Por que as pessoas tratam os pobres mal, pai? Não que eu tenha alguma coisa contra os pobres.” Ela sempre parece preocupada com a possibilidade de ser considerada racista, elitista, sexista, machista ou preconceituosa. Deve ser uma preocupação muito atual entre as crianças. Porque o mundo está politicamente cor- reto. E imagino que isso seja uma coisa boa. Mas quando eu tinha oito anos, nossa principal preocupação era conseguir a maior quantidade de doces entre a hora de acordar e a hora de dormir.
“Eu só acho que os homens deveriam poder se vestir com saia e salto alto se quisessem. As mulheres podem fazer isso. Os homens não, porque são considerados gays. Nada contra os gays,” ela diz novamente, antes que seja mal interpretada.
Estávamos no carro ouvindo a Anita falar sobre a sociedade. Lá fora as pessoas desrespeitavam outras pessoas no trânsito. O que podemos chamar de um dia normal.

Nos conta Piangers que, aos seus  8 anos, suas preocupações não eram tão "politicamente corretas" quanto as da filha de Anitta aos 8 anos, que respira o oxigênio mental do início do século XXI. Esse texto é muito interessante para demonstrar porque devemos pensar em uma História da criança, pois nem sempre elas foram do mesmo jeito...

segunda-feira, 22 de junho de 2015

"Ver: amor", novamente

Não disseram que clássico é um livro que a gente sempre volta a ler novamenter?  Novamente volto ao meu clássico contemporâneo, de todo o coração:  "Ver: Amor" , de David Grossman:
"...Ele, o dito Zalmanson, começou a rir um riso tal que melhor seria não o tivesse ouvido! Uma especie de estertor e riso e choro junto, e de repente morreu. Morreu antes de todos! E é importante que você saiba, Shleimale: o judeu Shimeon Zalmanson, meu único amigo, editor da revista infantil 'Luzinhas', morreu de rir numa câmara de gás, e estou certo de que não há morte mais adequada para um homem como ele, que acreditava que Deus só se revela às pessoas através do humor. " 

David Grossman, 'Ver:Amor', p. 235 "

sábado, 20 de junho de 2015

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Mil Tom ... versões modernas de músicas de Milton Nascimento



Muito legais os discos , emocionantes mesmo ... embora as originai sejam insuperáveis!
Cada vez mais os jovens se interessam por nossas pérolas: Clube da Esquina, Tom Zé ... amo demais!
Vejam o cardápio:

DISCO 1
01) Vanguart - Clube da Esquina Nº 2
02) Aline Calixto - Vera Cruz
03) Banda Tereza - Maria Maria
04) Aláfia - Saudade Dos Aviões da Panair (Conversando No Bar)
05) Fernando Temporão - Para Lennon e McCartney
06) Karol Conka - O Rouxinol (part. Boss In Drama)
07) Pedro Morais - Travessia
08) Filarmônica de Pasárgada - Canoa Canoa
09) Tono - Lágrima do Sul
10) Pélico & Bárbara Eugênia - Paula e Bebeto
11) Rashid - Tudo Que Você Podia Ser
12) Bruno Souto - San Vicente (part. banda Chá de Pólvora)
13) Phill Veras - Paixão e Fé
14) Letuce - Sereia
15) Simonami - Caçador de Mim

DISCO 2
01) Thaís Gulin – Amor de Índio
02) Dani Black – Paisagem na Janela
03) Baleia – E Daí?
04) Orquestra Contemporânea de Olinda – Caxangá
05) Gisele De Santi – Nos Bailes da Vida
06) Selvagens à Procura de Lei – Nuvem Cigana
07) A Banda Mais Bonita da Cidade – Ponta de Areia
08) Blubell – Beijo Partido
09) Felipe Cordeiro – Cravo e Canela
10) Verônica Ferriani – Canção do Sal
11) The Outs – O Trem Azul
12) Ana Larousse – Cais
13) Tibério Azul – Canção Amiga
14) Dom Pepo – Credo
15) Los Porongas – Nada Será Como Antes

Acesse, ouça e  baixe gratuitamente  aqui

2009, O ANO QUE NÃO DEVIA EXISTIR...

Se 1958 foi o ano que não devia ter terminado...

1968 o ano que não terminou...

2008 o ano Rock's (de Caetano Veloso)


Receio que 2009 seja o ano que não deveria estar existindo... ô aninho ziquezira!

Nada está funcionando como eu esperava esse ano... nem currículos, nem encontros, nem shows do Tom Zé (!),nem reecontros, nem provas, nem vestidos ou perfumes, nem Gabriel Garcia Màrquez, nem Guimarães Rosa(!)...ou o mundo parou de girar e permaneceu de cabeça pra baixo esses quase seis meses, ou sou eu que já tive melhores humores...

Pode ser, também, uma soma de tudo isso...

Pé de pato, mangalô, três vezes!

Andar com pé eu vou que o pé acostuma a dançar, diz a canção de Tom Zé, meu lindoooo