terça-feira, 15 de agosto de 2017

Sobre o cancioneiro de Ben



"... Quanto mais eu ouvia Jorge Ben, mais eu percebia que sua música é capaz de induzir a um determinado estado de espírito: um estado de plenitude e força, capaz de inspirar uma atitude altiva perante a vida. Não por acaso sua lira é recheada de incríveis heróis, obstinados e orgulhosos guerreiros. Seja qual for o tema tratado em suas canções, parece sempre haver uma voz de fundo, meio gaiata, gritando surdamente, "ME GUSTA MUCHO VIVER!", como no final do Jazz Potatoes. " Paulo da Costa e Silva In: "A Táboa de Esmeralda", p 10-1.

 Acho que é bem isso, mesmo! Só acrescentaria um detalhe ao trecho, quando ele diz que a música de Ben é " recheada de incríveis heróis, obstinados e orgulhosos guerreiros", caberia dizer que isso também inclui guerreiras e heroínas e que, em sua maioria, eles e elas são belos e negros. Até onde eu eu sei, não existe em nosso cancioneiro, uma coleção de hinos que exalta tão lindamente essas figuras; Salve Jorge! Viva, viva, viva Jorge!

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

EXPOSIÇÃO "CRIANÇAS NA LÍNGUA"


Caros colegas

Na próxima semana realizaremos, na UNIFESP-Guarulhos, a Exposição "A criança na língua: passo a passo", que contará com visitas livres, visitas guiadas e um ciclo de conferências sobre a entrada da criança na linguagem. Serão abordados vários temas, como a aquisição monolíngue e bilíngue, aquisição da escrita, multimodalidade, humor na infância, entre outros.
Envio o cartaz de divulgação e a programação, que também pode ser acessada pelo link https://acriancanalinguapassoapasso.wordpress.com/ .
Peço que compartilhem com os demais colegas. 

Abs
Rosângela Nogarini Hilário (UNIFESP-Guarulhos)

domingo, 13 de agosto de 2017

Possibilidade e impossibilidade de narrar a História

Samuel, 9, Zuleide, 4, Ernesto Carlos, 2, e Luiz Carlos, 6, com a “tia” Tercina em foto de junho de 1970 encontrada nos arquivos do Serviço Nacional de Informações. Fichadas como “subversivas”, as crianças foram fotografadas no doi-Codi do Rio de Janeiro antes de serem mandadas para a Argélia com outros 40 presos políticos trocados pelo embaixador alemão sequestrado naquele ano.(FONTE http://revistazum.com.br/revista-zum-3/infancia-banida/)
Não sei por qual motivo, tive acesso e li essa reportagem esta manhã. Ai fiquei pensando sobre as dificuldade de narrar.Que o Brasil vive intenso retrocesso é evidente em todos os níveis. Eu, como historiadora, sinto melhor como isso acontece na possibilidade/impossibilidade de narrar.
Sempre relato que durante minha graduação em História (1999-2003) não era comum se falar no período da recente Ditadura civil-militar, e eu entendia que isso acontecia por muitos motivos como: os arquivos que sustentariam as pesquisas estavam bloqueados; os possíveis relatos ou depoimentos vinham carregados de diversas camadas de trauma, o que dificultaria sua análise; tudo era era muito recente e os envolvidos ainda viviam e era interessante anular essa narrativa por tempo indeterminado;e muitos outros motivos.
Mas nos anos 2000, enquanto esse episódio ainda espinhoso da nossa História continuava tabu, alguma especie de resgate dessa possibilidade de narrar começou a aparecer quando os arquivos foram abertos pela lei do Direito a Informação e isso permitiu que pesquisas fossem feitas;uma ex militante foi eleita presidenta; instauro-se a Comissão Nacional da Verdade que embora tenha sido aceita com a condição de não anulação da Lei da Anistia de 1979 e portanto não previa a punição dos envolvidos (o que é um absurdo insustentável, mas a gente vai fazendo o possível para não deixar de fazer, sabe?), mas ela nos forneceu acesso à maior quantidade de informações sobre o período até agora alcançado. Era possível pesquisar e narrar aquele período.
Hoje, quando estamos em meio a outro golpe de Estado e no meio de um retrocesso sem fim, eu já não vejo essa possibilidade. Lamentável. Essa matéria que postei acima é de 2013, o período mais fértil para as pesquisas históricas sobre o tema e lendo o texto, relembrando os vídeos e as histórias nele citados (que conheci através do material de divulgação da Comissão da Verdade), reflito sobre o fato de termos voltado à situação da impossibilidade de narrar neste país, o que torna a minha profissão de historiadora ainda mais difícil e valiosa e minha boca muito amarga.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Futebol na música de Jorge Ben



"TROCA TROCA”, provavelmente a única música que tem um dirigente de clube como personagem central.No caso, o cartola era FRANCISCO HORTA, que na época presidiu o FLUMINENSE e causou uma revolução no futebol carioca ao estimular a troca de jogadores entre os grandes clubes do RIO, em vez de contratações milionárias." 
(FONTE  : http://wp.clicrbs.com.br/futebolnopaisdamusica/2014/10/15/o-troca-troca-de-jorge-ben-jor/?topo=52)

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

PEDRO BLOCH: UM ESCREVINHADOR DE CRIANÇA


PEDRO BLOCH: UM ESCREVINHADOR DE CRIANÇA
"O mundo infantil é cheio de mistério e poesia, suspense e humor. (..) Seria de desejar que todos os pais guardassem as frases mais expressivas dos filhos, como verdadeiros tesouros. Mas o que ocorre, normalmente, é que se conserva um flagrante fotográfico inexpressivo ou uma botinha, um boneco uma mecha de cabelo. Quase nunca percebe que o que a criança diz, em suas diferentes fases, são pedacinhos de alma dessa criança." 
(BLOCH, Pedro. 'Criança diz cada uma!', 1963, p. 1)

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Entrando na família Ben

Sempre gostei do Jorge Ben, mas não andava me lembrando muito dele até começar a ler a biografia do Tim Maia e ter começado a lembrar, a me interessar mais e mais e querer conhecer além da superfície, ouvir coisas novas, conhecer mais, deixando o Tim completamente de lado mesmo! Ouço Jorge Ben como ouço música instrumental e é um deleite só. Também tive a experiência de tentar  dançá-lo no Samba Rock, mas eu queria saber mais, queria ler sobre, achei alguns  textos na internet como este sobre a questão do negro em Jorge Ben e  comprei  o livro do disco sobre "A Táboa Esmeralda", de Paulo da Costa e Silva que acabou de chegar.




OH MULHER INFIEL - Eu não deveria começar a ler o livro sobre o Jorge Ben agora, haja visto que ainda restam algumas páginas para ler na imensa biografia do Tim Maia (ainda não terminei!)... mas como eu já fui infiel desde o início e não paro de ouvir o Jorge, e o livrinho acaba de chegar já comecei a devorar FAMÍLIA BEN : Identificando "parentes de alma" a partir de Jorge Ben, fui entrando de novo no universo Jorge :

"Na minha cabeça Jorge Ben ocupava um confortável lugar no segundo time entre os grandes de sua geração - bem atrás do Chico, Caetano, Gil, Milton... Um artista interessante, meio esquisito, mas com surpreendente potencial de propagação e grande vocação para o sucesso. Foi quando ouvi, por acaso, a versão original de 5 minutos, última faixa do "Tábua", que eu já conhecia bem na gravação feita pela Marisa Monte, mas que não me lembrava de ter ouvido na voz de Ben. Eu estava em meio a uma roda de amigos e lembro que a canção solicitou imediatamente a minha atenção. Acontece com relativa frequência de grandes obras de arte atravessarem nossas vidas sem que haja um verdadeiro encontro, como se ainda não estivéssemos prontos para elas. Ali aconteceu o contrário: pela primeira vez eu entrava em sintonia com a música de Jorge Ben. Numa espécie de epifania, fui arremessado por ela...."  Paulo da Costa e Silva, p. 9


A epifania de Paulo da Costa e Silva foi ouvindo essa música :

"Tudo, absolutamente tudo na gravação soava contemporâneo. O timbre do violão de náilon tocado de forma despojada, livre, com um ritmo meio solto, quase capenga; a estranha sonoridade de uma sequência harmônica que, reforçada pelo desenho melódico contínuo do acompanhamento de cordas, deriva sua força mais do movimento circular do que da dinâmica tonal; a voz algo extraordinária, de rua, voz de não cantor, repleta de ruídos e chiados, erguedo-se em inesperados falsetes com ares de improviso; a atmosfera inteira da canção, com a massa sonora perfeitamente integrada na entidade física da voz e do violão de Ben, e tudo se desenvolvendo com natural fluidez. Aquilo pertencia ao eterno presente  das obras-primas. Tendo sido gravada quase duas décadas antes,ela permanecia mais jovem, maus intensa e vital do que a versão de Marisa Monte. Na gravação de Ben os 5 minutos de que fala a canção pareciam realmente uma questão de vida ou morte Possuia tamanha concentração de força que através dela sentíamos realmente "quanto vale cinco minutos na vida". P. 10 

É muito difícil ouvir a gravação de Ben, sem ter no ouvido aquela da Marisa, mas pensando nela como o encerramento de um disco sensacional como é o Tábua, a gente até consegue se deslocar naquele ambiente regulado de Marisa ... e é libertador!

terça-feira, 25 de julho de 2017

Trecho final do relatório final de pós doc

Ilustração de Mariana Massarani , 1998
 Acabei a pesquisa de pós-doutorado e o último trecho do relatório final eu falei sobre aquilo que eu achei mais bonito de todo o trabalho de Pedro Bloch, que foi a valorização da  expressão da criança como ela é : 
"          Como parte de nossa investigação, conseguimos esboçar faces de como o projeto de ouvir a meninada e inseri-la no diálogo teria ficado guardado na memória cultural e pessoal das pessoas que nele estiveram envolvidas. Por outro lado, percebemos que, embora ele tenha sido muito famoso em vida, vai sendo gradativamente esquecido, seja porque sua atividade envolveu crianças há bastante tempo e elas nem sempre puderam guardar memória do ocorrido, ou pelo fato de terem participado da composição humorística e isso  não sido considerado importante  a ponto de permanecer na memória por muito tempo, ou mesmo por conta dos fluxos e refluxos da história cultural,  que se interessa por figuras assim, que brilharam muito, às margens dos grande personagens, e rapidamente ficaram de lado na narrativa.            Enfim, procuramos destacar a importância das anedotas infantis de Pedro Bloch porque vimos nelas marcas de uma mudança sutil em relação à própria ideia de criança que então estava em processo, sempre através do filtro mediador do humor, que foi o que permitiu que se ouvisse em alto e bom som a até então calada voz infantes, ainda que esse som nos viesse sempre cheio de estranhamento e comicidade.
            Como epígrafe de um de seus primeiros livros sobre foniatria, o autor narra: 
  
(BLOCH, O problema da gagueira, 1958)
                    Julgamos que esta epígrafe sintetiza todo o seu projeto com os pequenos , afinal fazia parte da sua pedagogia não deixar de dizer a toda criança que encontrava “você é boa, bonita, inteligente porque sei o que uma observação assim significa para um ser que brota" (BLOCH, Você tem personalidade?,1974, p. 193), então é como se conseguisse enxergar em suas crianças – fossem pacientes, leitoras, personagens ou coautoras – algo precioso que só então estava se revelando e elas lhe chegassem  lindas, inteligentes, divertidas, com uma porção de significados desconhecidos que o levava a olha-la e dizer : Fala, agora! Por que não falas?  E em suas anedotas as crianças enfim falaram,  contando como era o seu maravilhoso mundo encantado, no qual os adultos ainda não haviam arriscado adentrar. " (RODRIGUES, Camila. Anedotas infantis de Pedro Bloch: Narrativas de história cultural do humor e da criança (1960 - 2002), p. 92)